Enviar por E-mail

fechar

Notícias

Voltar

Acelbra-MS Divulga os Produtos Finococo para seus associados

Publicada 11 ago 2010


Por serem livres de Glúten, os produtos Fincoco, principalmente a Farinha Orgânica de Coco Finococo foram indicados no site da Acelbra - MS para que seus Associados possam usá-los no dia-a-dia.

Confira: http://www.acelbrams.org.br/v2/news/3123.html

A Farinha de Coco pode subsituir até 100% a Farinha de Trigo no preparo de pães, tortas, bolos, biscoitos, salgados, granolas, sorvetes, etc. Além de ser ótimo no uso culinário a Farinha é muito saborosa para consumi direto, paçocas, uso com saladas de fruta, iogurtes. Por conter 40% de Fibras Solúveis, 12% de Protéinas, o consumo regular de Farinha Orgânica de Coco Finoco ajuda a regulação intestinal, diminui o apetite e auxilia no emagrecimento.



 

Para saber mais sobre a Doença Celíaca leia o texto abaixo:

A Doença Celíaca

Embora a doença celíaca seja reconhecida desde o século XI, foi somente em 1888 que Samuel Gee, um pesquisador inglês, a descreveu em detalhes e achou que as farinhas poderiam ser as causadoras da moléstia.

Em 1950, Dicke, um pediatra holandês, observou que durante a guerra, quando o pão esteve escasso na Europa, diminuíram os casos de doença celíaca. Três anos depois ele conseguiu comprovar sua teoria, deixando claro o papel do glúten (contido no trigo, cevada, aveia e centeio) na provocação da doença

O que é?

É uma intolerância permanente (por toda a vida) ao glúten, que se manifesta em algumas pessoas, crianças ou adultos, com predisposição genética. Ocorre uma grave alteração no intestino delgado que impede a absorção dos alimentos.

Quando aparece?

Pode surgir na infância, geralmente durante o primeiro ao terceiro ano de vida, ou manifestar-se em qualquer idade, inclusive no adulto.

Como se manifesta?

Os sintomas mais comuns são diarréia, emagrecimento e parada do crescimento, mas em algumas crianças podem ocorrer vômitos, anemia que não cura com tratamento, ou até mesmo "prisão de ventre", sempre associados à baixa estatura. A criança fica irritada, sem apetite, com o abdome distendido e bastante emagrecida, com sobras de pele, principalmente nas nádegas. O adolescente costuma ter pouco ou nenhum sintoma.

O que é o "glúten"?

É uma proteína que está contida no trigo, aveia, cevada e centeio e todos os alimentos fabricados com esses cereais. A sua fração mais tóxica para o celíaco é a gliadina.

Como se faz o diagnóstico?

A história, o exame físico e o aspecto da criança são muito sugestivos. Além disso são feitas as provas para averiguar se o intestino está ou não absorvendo alimentos:

Curva de sobrecarga de triglicerídios

Com uma coleta de sangue em jejum e outras 2 e 4 horas depois de a criança comer uma quantidade padronizada de margarina. Se não houver um aumento de triglicerídios (gordura) no sangue de 65 mg % ou mais, significa que a criança não está absorvendo a gordura.

Prova de absorção da D-Xilose

É um açúcar dissolvido em água, que a criança toma e será dosado no sangue depois de uma hora. Se encontrarmos valores menores que 20mg% significa também que o intestino não está absorvendo alimentos de modo ideal e reflete as alterações que veremos adiante.

Esses dois exames podem estar alterados em qualquer doença diarreica, isto é, eles não confirmam o diagnóstico de doença celíaca.

Dosagem de anticorpos séricos antigliadina

É colhido sangue para verificar a quantidade de anticorpo (reação ou defesa) que o paciente tem contra a gliadína, isto é, contra a proteína que "ataca" seu intestino. Esse anticorpo pode ser da classe IgG e IgA. Quando IgG for maior que 3 e IgA maior que 1, levantamos uma forte suspeita de doença celíaca.

A dosagem desses anticorpos também é importante como controle, pois após 2 meses de dieta correta eles já devem estar negativos ou bastante baixos.

Mas o diagnóstico de certeza só é obtido por meio de biópsia intestinal. Esta é feita com cápsula de Watson.

Não é necessário anestesiar a criança, pois o exame, embora não seja agradável, não é doloroso e é praticamente isento de riscos e complicações. O paciente deve estar em jejum por 4 a 6 horas, para que restos de alimentos não entupam a cápsula.

O que nos mostra a biópsia?

O intestino normal, quando visto ao microscópio, apresenta um pregueamento alto e afilado, chamado vilosidade. As células das vilosidades são as que tem capacidade de digerir o alimento que aí chega e absorvê-lo.

No paciente com doença celíaca, como seu intestino foi agredido e danificado pelo glúten, essas vilosidades não existem. Portanto, o alimento que chega ao intestino não consegue ser digerido e absorvido. Neste caso, quando olhamos ao microscópio vemos uma imagem que chamamos de mucosa "careca" pela atrofia praticamente total das vilosidades.

Como se trata a doença celíaca?

O único tratamento é a dieta, pelo resto da vida.

O glúten não pode ser mais consumido pelo paciente, criança ou adulto. Qualquer quantidade é prejudicial, mesmo que seja "um pedacinho" de pão.

Quando se inicia a dieta isenta de glúten a melhora é rapidamente notada. Em poucas semanas ou dias, aumenta o apetite da criança, pára a diarréia e ela engorda e muda o humor. A aceleração do crescimento é mais lenta e só se nota após 2 ou 3 meses. O intestino se recupera completamente.

Depois de 1 ou 2 anos dosamos novamente o anticorpo antigliadina e seus valores devem ser negativos e uma Segunda biópsia mostra que o intestino está normal, confirmando assim o diagnóstico

No início do tratamento, pode ser necessário o uso de ferro para corrigir a anemia e as crianças menores, que fazem uso do leite, podem temporariamente utilizar fórmulas isentas de lactose.

Fonte: http://www.acelbrams.org.br/v2/doenca/historico-da-doenca/3007.html

acompanhe

© 2010 - Finococo - Todos os Direitos Reservados